quinta-feira, 5 de abril de 2018

Sentidos

Tudo, de certa forma, revela-se. Porém, nossos sentidos não captam com clareza tudo. Precisamos de lupas, microscópicos, lunetas e tantas coisas para vermos o óbvio.
Já muito antes das duas Grandes Guerras, se anunciava os sinais delas. Podíamos ver, por exemplo, as pinturas do atormentado Van Gogh, ou os torturantes escritos de Kafka. Justo talvez pela insensibilidade dos tempos, tais sinais foram ignorados.
Se aguçarmos nossos sentidos, buscando sairmos de nossas ilusões próprias, assumindo um espírito investigativo(no bom sentido do termo), perceberemos o inédito, e as transformações do tempo. E, de maneira surpreendente, descobriremos fatos inauditos em nós mesmos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Epitáfio

Não quero ser lembrado como aquele que muito orou Mas sim como aquele que muito realizou Não quero ser recordado como quem muito teorizou ...